Arquivo

Archive for setembro \29\UTC 2010

Viva a Venezuela!

setembro 29, 2010 1 comentário

As últimas eleições na Venezuela mostraram bem o humor do povo venezuelano para como a “revolução” da boligurguesia de Chávez (aquela que se apropria do dinheiro do estado enquanto fornece esmolas para a população pobre).

Porém antes de comentar sobre as eleições em si devemos mostrar as fraudes praticadas por Chávez antes mesmo das eleições. Depois das últimas derrotas eleitorais, onde vários estados, incluindo a capital, ficaram nas mãos de opositores, Chávez começou uma grende mudança para fraudar “oficialmente” as próximas eleições. Primeiramente ele, de forma autoritária, criou organismos executivos que tomaram o poder do representante eleito de Caracas, criou uma expécie de Governador biônico, eleito por ele.

Como Chávez controla o CNE (o equivalente ao TSE no Brasil) ele foi capaz de impugnar diversas candidaturas oposicionistas por motivos nenhum. Bastava uma suspeita, notadamente fraudulenta, para impugnar os candidatos. Alguns deles inclusive foram presos injustamente acusados demonstrando que sim, há prisões políticas na Venezuela.

Outra medida foi mudar totalmente a forma de apuração e contabilização das vagas. Chávez alterou a quantidade de deputados por região, favorecendo onde seu partido possuia mais votos.

O resultado foi que em números absolutos, a oposição obteve apenas 100 mil votos a menos que o partido governista. Porém essa pequena diferença de 100 mil votos não se refletiu na distribuição de vagas, onde a oposição ficou com menos 33 vagas que os governistas. Se a proporção fosse mantida, os governistas e oposicionistas estariam dividindo o congresso com 80 vagas cada.

Aqui uma ressalva: essa é uma estimativa, pois o CNE ainda não forneceu todos os números da eleição. E não disse porque. Da última vez que fizeram isso um referendo foi fraudado para que a derrota de Chavez não ficasse tão evidente. Na verdade ele queria era fraudar o resultado final, transfomando uma derrota em vitória. Foi barrado pelos militares que afirmaram que não iriam às ruas contra a população que CERTAMENTE iria protestar contra a fraude.

A oposição afirma que conseguiu 52% dos votos em toda a Venezuela.

Chávez demonstrou toda sua irritação com o resultado das eleições em uma entrevista. Atacou covardemente uma jornalista que apenas lhe fez uma pergunta lógica: o porque dessa diferença. Usou seus recursos de sempre: xingamentos, ameaças, truculência. Se agitou na cadeira, olhava para um lado, olhava para o outro, e no final não respondeu a pergunta.

A oposição agora possui um grande trabalho pela frente. Deve honrar o mandato concedido pelo povo venezuelano. Os olhos de todos estarão com ele.

A religião Krugman

setembro 23, 2010 1 comentário

Já falei por aqui como Krugman virou uma fraude de si mesmo, deixando de ser um analista econômico apenas para se tornar um defensor das políticas democratas no NYT. O pior que o homem ainda ganhou um Nobel que muitos não entendem porque.

O artigo abaixo demonstra como Krugman atira para todos os lados na defesa do seu ponto de vista. Mente, desmente, diz que não disse, ignora o que falou anteriormente como se não tivesse falado, ataca pessoas que pensam de maneira diferente da dele.

Nele, o economista indiano Raghuram Rajan demonstra as táticas utilzadas por Krugman durante anos. Excelente leitura. Dica do Igor no Mosca Azul.

Correcting Krugman

By RAGHURAM G. RAJAN

Paul Krugman and Robin Wells caricature my recent book Fault Lines in an article in The New York Review of Books. The article, and their criticism, however, do have a lot to say about Krugman’s policy views (for simplicity, I will say “Krugman” and “he” instead of “Krugman and Wells” and “they”), which I have disagreed with in the past. Rather than focus on the innuendo about my motives and beliefs in the review, let me focus on differences of substance. I will return to why I believe Krugman writes the way he does only at the end.

First, Krugman starts with a diatribe on why so many economists are “asking how we got into this mess rather than telling us how to get out of it.”  Krugman apparently believes that his standard response of more stimulus applies, regardless of the reasons why we are in the economic downturn. Yet it is precisely because I think that the policy response to the last crisis contributed to getting us into this one that it is worthwhile examining how we got into this mess, and to resist the unreflective policies that Krugman advocates.

My book emphasizes a number of related fault lines that led to our current predicament. Krugman discusses and dismisses two — the political push for easy housing credit in the United States and overly lax monetary policy in the years 2002-2005 — while favoring a third, the global trade imbalances (which he does not acknowledge are a central theme in my book). I will argue shortly, however, that focusing exclusively on the imbalances as Krugman does, while ignoring why the United States became a deficit country, gives us a grossly incomplete understanding of what happened. Finally, Krugman ignores an important factor I emphasize — the incentives of bankers and their willingness to seek out and take the tail risks that brought the system down.

Let me start with the political push to expand housing credit. I argue that in an attempt to offset the consequences of rising income inequality, politicians on both sides of the aisle pushed easy housing credit through government units like the Federal Housing Administration, and by imposing increasingly rigorous mandates on government-sponsored enterprises such as Fannie Mae and Freddie Mac. Interestingly, Krugman neither disputes my characterization of the incentives of politicians, nor the detailed documentation of government initiatives and mandates in this regard. What he disputes vehemently is whether government policy contributed to the housing bubble, and in particular, whether Fannie and Freddie were partly responsible.

In absolving Fannie and Freddie, Krugman has been consistent over time, though his explanations as to why Fannie and Freddie are not partially to blame have morphed as his errors have been pointed out.  First, he argued that Fannie and Freddie could not participate in sub-prime financing. Then he argued that their share of financing was falling in the years mortgage loan quality deteriorated the most.  Now he claims that if they indeed did it (and they did not), it was because of the profit motive and not to fulfill a social objective. Let me offer details.

In a July 14, 2008 op-ed in The New York Times, Krugman explained why Fannie and Freddie were blameless thus:

Partly that’s because regulators, responding to accounting scandals at the companies, placed temporary restraints on both Fannie and Freddie that curtailed their lending just as housing prices were really taking off. Also, they didn’t do any subprime lending, because they can’t: the definition of a subprime loan is precisely a loan that doesn’t meet the requirement, imposed by law, that Fannie and Freddie buy only mortgages issued to borrowers who made substantial down payments and carefully documented their income. So whatever bad incentives the implicit federal guarantee creates have been offset by the fact that Fannie and Freddie were and are tightly regulated with regard to the risks they can take. You could say that the Fannie-Freddie experience shows that regulation works. [emphasis mine]

Critics were quick to point out that Krugman had his facts wrong. As Charles Calomiris, a professor at Columbia University, and Peter Wallison, of the American Enterprise Institute (and member of the Financial Crisis Inquiry Commission), explained, “Here Krugman demonstrates confusion about the law (which did not prohibit subprime lending by the GSEs), misunderstands the regulatory regime under which they operated (which did not have the capacity to control their risk-taking), and mismeasures their actual subprime exposures (which he wrongly states were zero).”

So Krugman shifted his emphasis. In his blog critique of a Financial Times op-ed I wrote in June 2010, Krugman no longer argued that Fannie and Freddie could not buy sub-prime mortgages. Instead, he emphasized the slightly falling share of Fannie and Freddie’s residential mortgage securitizations in the years 2004 to 2006 as the reason they were not responsible. Here again he presents a misleading picture. Not only did Fannie and Freddie purchase whole sub-prime loans that were not securitized (and are thus not counted in its share of securitizations), they also bought substantial amounts of private-label mortgage-backed securities issued by others. When these are taken into account, Fannie and Freddie’s share of the sub-prime market financing did increase even in those years.

“Asset prices and bubbles have momentum. Even if Fannie and Freddie had simply ignited the process, and not fueled it in the go-go years of 2004-2006, they would bear some responsibility.” 

Of course, one could question this form of analysis. Asset prices and bubbles have momentum. Even if Fannie and Freddie had simply ignited the process, and not fueled it in the go-go years of 2004-2006, they would bear some responsibility. Krugman never considers this possibility.

In the current review piece, Krugman first quotes the book by Nouriel Roubini and Stephen Mihm: “The huge growth in the subprime market was primarily underwritten not by Fannie Mae and Freddie Mac but by private mortgage lenders like Countrywide. Moreover, the Community Reinvestment Act long predates the housing bubble…. Overblown claims that Fannie Mae and Freddie Mac single-handedly caused the subprime crisis are just plain wrong.”

Clearly, Fannie and Freddie did not originate sub-prime mortgages directly — they are not equipped to do so. But they fuelled the boom by buying or guaranteeing them. Indeed, Countrywide was one of their largest originators of sub-prime mortgages, according to work by Ed Pinto, a former chief credit officer of Fannie Mae, and participated from very early on in Fannie Mae’s drive into affordable housing.

For instance, consider this press release from 1992:

Countrywide Funding Corporation and the Federal National Mortgage Association (Fannie Mae) announced today that they have signed a record commitment to finance $8 billion in home mortgages.  Fannie Mae said the agreement is the single largest commitment in its history…The $8 billion agreement includes a previously announced $1.25 billion of a variety of Fannie Mae’s affordable home mortgages, including reduced down payment loans…

“We are delighted to participate in this historic event, and we are particularly proud that a substantial portion of the $8 billion commitment will directly benefit lower income Americans,” said Countrywide President Angelo Mozilo…”We look forward to the rapid fulfillment of this commitment so that Countrywide can sign another record-breaking agreement with Fannie Mae,” Mozilo said.

“Countrywide’s commitment will provide home financing for tens of thousands of home buyers, ranging from lower income Americans buying their first home to middle-income homeowners refinancing their mortgage at today’s lower rates,” said John H. Fulford, senior vice president in charge of Fannie Mae’s Western Regional Office located here.

Of course, as Fannie and Freddie bought the garbage loans that lenders like Countrywide originated, they helped fuel the decline in lending standards. Also, while the Community Reinvestment Act was enacted in 1979, it was the more vigorous enforcement of the provisions of the Act in the early 1990s that gave the government a lever to push its low-income lending objectives, a fact the Department of Housing and Urban Development (HUD) was once proud of (see the HUD press releases below).

Perhaps more interesting is that after citing Roubini and Mihm, Krugman repeats his earlier claim: “As others have pointed out, Fannie and Freddie actually accounted for a sharply reduced share of the home lending market as a whole during the peak years of the bubble.” Now he attributes the inaccurate claim that Fannie and Freddie accounted for a sharply reduced share of the home lending market to nameless “others.” But that is just the prelude to changing his story once again: “To the extent that they did purchase dubious home loans, they were in pursuit of profit, not social objectives—in effect, they were trying to catch up with private lenders.”  In other words, if they did do it (and he denies they did), it was because of the profit motive.

Clearly, everything Fannie and Freddie did was because of the profit motive — after all, they were private corporations. But I don’t know how we can tell without more careful examination how much of the lending they did was to meet the government’s affordable housing mandates or to curry favor with Congress in order to preserve their profitable prime mortgage franchise, and how much was to increase the bottom line immediately.  Perhaps Krugman can tell us how he determined their intent?

Interestingly, before the housing market collapsed, HUD proudly accepted its role in pushing low-income lending through the various levers that Krugman now denies were used. For instance, in 2000 when it announced that it was increasing Fannie and Freddie’s affordable housing goals, it concluded:

Lower-income and minority families have made major gains in access to the mortgage market in the 1990s. A variety of reasons have accounted for these gains, including improved housing affordability, enhanced enforcement of the Community Reinvestment Act, more flexible mortgage underwriting, and stepped-up enforcement of the Fair Housing Act. But most industry observers believe that one factor behind these gains has been the improved performance of Fannie Mae and Freddie Mac under HUD’s affordable lending goals. HUD’s recent increases in the goals for 2001-03 will encourage the GSEs to further step up their support for affordable lending.”

And in 2004, when it announced yet higher goals, it said:

Over the past ten years, there has been a ‘revolution in affordable lending’ that has extended homeownership opportunities to historically underserved households. Fannie Mae and Freddie Mac have been a substantial part of this ‘revolution in affordable lending’. During the mid-to-late 1990s, they added flexibility to their underwriting guidelines, introduced new low-down payment products, and worked to expand the use of automated underwriting in evaluating the creditworthiness of loan applicants. HMDA data suggest that the industry and GSE initiatives are increasing the flow of credit to underserved borrowers. Between 1993 and 2003, conventional loans to low income and minority families increased at much faster rates than loans to upper-income and nonminority families.

IIf the government itself took credit for its then successes in expanding home ownership, why is Krugman not willing to accept its contribution to the subsequent bust as too many lower middle-class families ended up in homes they could not afford? I agree there is room for legitimate differences of opinion on the quality of data, and the extent of government responsibility, but to argue that the government had no role in directing credit, or in the subsequent bust, is simply ideological myopia.

Let me move on to Krugman’s second criticism of my diagnosis of the crisis. He argues that the Fed’s very accommodative monetary policy over the period 2003 to 2005 was also not responsible for the crisis. Here Krugman is characteristically dismissive of alternative views. In his review, he says that there were good reasons for the Fed to keep rates low given the high unemployment rate. Although this may be a justification for the Fed’s policy (as I argue in my book, it was precisely because the Fed was focused on a stubbornly high unemployment rate that it took its eye off the irrational exuberance building in housing markets and the financial sector), it in no way validates the claim that the policy did not contribute to the manic lending or housing bubble.

A second argument that Krugman makes is that Europe too had bubbles and the European Central Bank was less aggressive than the Federal Reserve, so monetary policy could not be responsible. It is true that the European Central Bank was less aggressive, but only slightly so: It brought its key refinancing rate down to only 2 percent, while the Fed brought the Fed Funds rate down to 1 percent. Clearly, both rates were low by historical standards. More important, what Krugman does not point out is that different Euro-area economies had differing inflation rates, so the real monetary policy rate was substantially different across the Euro area despite a common nominal policy rate. Countries that had strongly negative real policy rates — Ireland and Spain are primary exhibits — had a housing boom and bust, while countries like Germany with low inflation, and therefore higher real policy rates, did not. Indeed, a working paper by two ECB economists, Angela Maddaloni and José-Luis Peydró, indicates that the ultra-low rates enforced by both the ECB and the Fed at this time had a strong causal effect in relaxing banks’ commercial, mortgage, and retail lending standards over this period.

I admit that there is much less consensus on whether the Fed helped create the housing bubble and the banking crisis than on whether Fannie and Freddie were involved. Ben Bernanke, a monetary economist of the highest caliber, denies it, while John Taylor, an equally respected monetary economist insists on it. Some Fed studies accept responsibility while others deny it. Krugman, of course, has an interest in defending the Fed and criticizing alternative viewpoints. He himself advocated the policies the Fed followed, and in fact, was critical of the Fed raising rates even when it belatedly did so in 2004. Then, as he does now, Krugman emphasized the dangers from a Japanese-style deflation, as well as the slow progress in bringing back jobs. Then, as he does now, he advocated more stimulus. Then, as he does now, Krugman ignored the longer term adverse consequences of the policies he advocated.

“The United States did not have to run a large trade deficit and absorb the capital inflows – the claim that it had to sounds very much like that of the over-indulgent and over-indebted rake who blames his creditors for being willing to finance him. “ 

Finally, if he denies a role for government housing policies, or for monetary policy, or even for warped banker incentives, then what does Krugman attribute the crisis to? His answer is over-saving foreigners. Put simply, trade-surplus countries like Germany and China had to reinvest their financial surpluses in the United States, pushing down long-term interest rates in the process, and igniting a housing bubble that eventually burst and led to the financial panic. But this is only a partial explanation, as I argue in my book. The United States did not have to run a large trade deficit and absorb the capital inflows – the claim that it had to sounds very much like that of the over-indulgent and over-indebted rake who blames his creditors for being willing to finance him. The United States’s policies encouraged over-consumption and over-borrowing, and unless we understand where these policies came from, we have no hope of addressing the causes of this crisis.  Unfortunately, these are the policies that Krugman wants to push again. This is precisely why we have to understand the history of how we got here, and why Krugman wants nothing to do with that enterprise.

There is also a matter of detail suggesting why we cannot only blame the foreigners. The housing bubble, as Monika Piazzesi and Martin Schneider of Stanford University have argued, was focused in the lower income segments of the market, unlike in the typical U.S. housing boom. Why did foreign money gravitate to the low income segment of the housing market? Why did past episodes when the U.S. ran large current account deficits not result in similar housing booms and busts?  Could the explanation lie in U.S. policies?

My book suggests that many — bankers, regulators, governments, households, and economists among others — share the blame for the crisis. Because there are so many, the blame game is not useful. Let us try and understand what happened in order to avoid repeating it. I detail the hard choices we face in the book. While it is important to alleviate the miserable conditions of the long-term unemployed today, we also need to offer them incentives and a pathway to building the skills that are required by the jobs that are being created. Simplistic mantras like “more stimulus” are the surest way to distract us from policies that generate sustainable growth.

Finally, a note on method. Perhaps Krugman believes that by labeling other economists as politically extreme, he can undercut their credibility. In criticizing my argument that politicians pushed easy housing credit in the years leading up to the crisis, he writes,  “Although Rajan is careful not to name names and attributes the blame to generic ‘politicians,’ it is clear that Democrats are largely to blame in his worldview.” Yet if he read the book carefully, he would have seen that I do name names, arguing both President Clinton with his “Affordable Housing Mandate” (see Fault Lines, page 35), as well as President Bush with his attempt to foster an “Ownership Society” (see Fault Lines, page 37) pushed very hard to expand housing credit to the less well-off. Indeed, I do not fault the intent of that policy, only the unintended consequences of its execution. My criticism is bipartisan throughout the book, including of the fiscal policies followed by successive administrations. Errors of this kind by an economist of Krugman’s stature are disappointing.

Caio Blinder, Veja e o Tea Party

setembro 15, 2010 Deixe um comentário

Uma boa notícia para a imprensa brasileira é a nova coluna de Caio Blinder no site da Veja. Com certeza o Caio irá elevar a qualidade do debate político. Mesmo discordando em vários pontos (por exemplo, Caio sempre foi Obama F.C.) não há dúvida que o Caio Blinde é infinitamente melhor que 99% dos colunistas brasileiros.

E como não poderia deixar de ser, já começo discordando de muita coisa em sua coluna publicada hoje (15/09). Tirando a parte do enaltecimento do fracasso de Obama (como se as promessas dele não passassem de algo mais que promessas de campanha), Caio erra feio ao comentar sobre o Tea Party. Na verdade erra quase tudo. E o principal erro é qualificar Sarah Palin como “líder” do Tea Party.

É inegável que Sarah Palin transformou-se, pelo menos para a imprensa, um rosto do movimento. Mas nem por isso ela é uma líder do mesmo. Palin e outros como Glenn Beck são aproveitadores natos. O mais importante é ganhar dinheiro e notoriedade navegando pelo Tea Party. Palin cobra cerca de 100 mil dólares por uma “apresentação” em alguma cidade (o fato de alguém querer pagar 100 mil dólares para ouvir Sarah Palin me intriga), depois levanta o circo e passa para a próxima. Glenn Beck se especializou em escrever livros.

Mas essas pessoas não representam o Tea Party. O movimento é composto por pessoas comuns, profissionais liberais que tem responsabilidades no emprego, na família, na comunidade. São pessoas que doam seu tempo livro para organizar reuniões na Igreja, em assembleias e escolas. Não ganham um centavo com isso. Não são membros de ONGs que recebem polpudas verbas governamentais como a ACORN.

Caio, e a própria Veja, os chamam de “ultraconservadores”, até mesmo confundindo-os com um partido político, não conseguem passar do lugar comum dos detratores do movimento. Caio acertadamente afirma que os EUA hoje é um país dividido. Acontece que não foi o Tea Party que fez isso. Foi a própria campanha de Obama. E falha, também, ao não identificar que Obama só foi eleito pelo voto dos independentes que agora estão migrando não para o partido republicano, mas sim para o Tea Party.

Os próprios falcões do Partido Republicano estão com medo do movimento. É lógico afirmar que o Tea Party é muito mais próximo dos Republicanos do que dos Democratas. Mas porque o chamam de “ultraconservador” de maneira errada? Foi porque nas últimas décadas o partido Republicano se aproximou muito mais dos ideias dos Democratas que foi perdendo suas características. Hoje é correto afirmar que há muito pouca diferença entre Democratas e Republicanos. Cada um busca uma centralização política, uma interferência governamental de forma diferente. Seria inimaginável algumas décadas atrás o Partido Republicano aprovar as medidas que infligiam um duro golpe nas liberdades individuais tais quais Bush realizou.

Isso não tem nada a ver com “ultraconservadorismo”. Tem a ver com diferenças de opinião. Da mesma forma que acho errado tachar Obama de socialista. Obama não é socialista, ele é corporativista até a medula. Prova disso é só avaliar a alta no preço das ações das seguradoras de saúde dada a aprovação do seu pacote de maldades.

Os Tea Parties não recebem vultosas somas em palestras, não ficam aparecendo em programas de televisão. Eles fazem o que fazem por pura devoção ao que acreditam, e não por estarem seguindo Sarah Palin (aliás, se houvesse alguém a ser seguido esse alguém seria Ron Paul e não Sarah Palin).

Portanto não adiantam querer criar uma Quimera (Sarah Palin) para depois apresentar o Belerofonte, pois mesmo se Palin foi desacreditada e desmascarada (tomara!) o movimento irá continuar a crescer e mesmo que não gostem se tornará algo de suma importância na política americana. As prévias e eleições de agora já estão mostrando isso.

A verdade é que esse chá descerá muito amargo na garganta de muitos… Sejam Democratas ou Republicanos.

Cora Ronai manda o recado.

setembro 10, 2010 5 comentários

Muito bom estar ao lado de pessoas como a Cora Ronai:

Não quero falar sobre isso

Na quarta-feira passada, logo cedo, mandei a crônica para o jornal, como sempre faço. Continuava contando o que vi na península escandinava, lugar menos misterioso e atraente do que a Índia, meu penúltimo destino de férias, mas não menos estranho, por ser, no todo e nas muitas partes, o exato oposto do Brasil.

Mais tarde, lendo o jornal cheio de notícias sobre a campanha política, me veio uma certa sensação de inadequação por estar falando de algo tão distante, em todos os sentidos. Acontece, contudo, que o cronista é, antes de tudo, um ser humano — e o ser humano que assina esta crônica anda sem coração ou mente para a “política” que se pratica no país.

— Mas você não vai falar nada de nada sobre a campanha? – perguntou a Bia, quando conversamos sobre o assunto.

— Não vou não. Nunca vi uma campanha tão feia, tão mentirosa, tão marqueteira. Além disso, o que será dos leitores se todos os cronistas e colunistas escreverem sobre o mesmo tema? Não dá para ser mais objetiva do que o Merval, nem mais sarcástica do que o João Ubaldo.

Para que uma campanha política consiga motivar os eleitores, ela precisa, em primeiro lugar, ser… política! Mas não há nada de político, no antigo e nobre sentido da palavra, no que nos vem sendo apresentado. O mundo em que os candidatos vivem não guarda nenhuma relação com a realidade que pretendem administrar. Aliás, salvo a Marina, os próprios candidatos deixaram de passar qualquer impressão de autenticidade. São fantoches de si mesmo, criaturas de propaganda que apresentam não o que são, mas o que gostariam de ser. Ou nem isso; apenas o que seus marqueteiros acham que vende melhor.

Assim, de pessoa notoriamente tida por prepotente e atrabiliária (mas diplomaticamente apresentada como “difícil”), Dilma tenta passar por senhora educada, por mãe ocasionalmente severa, mas sempre gentil e compreensiva; de oposicionista de poucos amigos, Serra pretende ser acessível, religioso, popular. Não é, não são. Isso para não falar em todo o cardume menor, salpicado de criminosos e de figuras ridículas.

O presidente, que devia pelo menos fingir que respeita as leis, usa sem qualquer pudor a máquina do governo, que há tempos deixou de ser para todos e transformou-se em criminosa ferramenta partidária; a oposição, cheia de aspas, desvirtua um tenebroso caso de polícia para tentar ganhar no tapetão, repetindo as práticas antidemocráticas do PT.

Cadê a política nisso?! Cadê os projetos, cadê as propostas para a educação, base de tudo, que está indo para o brejo à velocidade da luz?

* * *

Durante os governos que antecederam a Era Lula, o PT fez a oposição mais cerrada e hidrófoba que já se viu. Bastava uma idéia ser apresentada pelo governo para que a militância a estraçalhasse, como uma matilha de hienas destroça o cadáver de um antílope (vide Nat Geo Wild). Teria sido curioso ver como se portaria o PT no governo diante de uma oposição semelhante; mas, feito para governar, o PSDB nunca soube fazer oposição.

Por causa disso, todos os “malfeitos” do governo Lula ficaram por isso mesmo, por “malfeitos” e “futricas menores” – e o país, que já não andava muito bem no quesito da ética, desandou de vez. A falta de moral generalizada e a pasmaceira apontada por Plinio Sampaio são os grandes legados da Era Lula, mas a responsabilidade por essa herança maldita não cabe apenas ao PT. A culpa é também dos partidos de oposição, que não conseguiram encostar ninguém contra a parede e dizer que certas coisas não se fazem.

A rigor, porém, nem sei por que estou falando nisso; eu já disse que não vou escrever sobre a campanha política. Não me reconheço no que vai pela televisão. Meu país é melhor e mais rico, mais diversificado, criativo e inteligente. E, apesar de saber que eles não vieram para cá em espaçonaves, nem surgiram por geração espontânea, continuo achando que o Brasil não merece os políticos que tem.

* * *

E mais uma vez, quando o coração anda pesado com o que acontece à nossa volta, Maria Bethânia surge no horizonte, esplendorosa, e põe os pingos nos ii, mostrando que, apesar de tudo, o Brasil tem muito bem onde se segurar. Dessa vez, na última quinta-feira, ela contou com o auxílio de uma platéia formada por alunos da rede pública de ensino, que foram ouvi-la em “Bethânia e as palavras — leituras”, espetáculo de pouco mais de uma hora de poesia.

É provável que os meninos e meninas que estavam lá nunca tenham ouvido poesia falada, mas todos entraram perfeitamente no clima do recital. Ficaram atentos e encantados, responderam com longos aplausos quando seus professores foram mencionados e, sobretudo, quando Bethânia, homenageando um antigo mestre, lembrou que ali estava uma ex-aluna do recôncavo baiano – prova de que é possível “uma boa, devida e plena educação nas escolas públicas”.

“Bethânia e as palavras” não é só um comovente (e imperdível) recital de poesia; é também um manifesto pela educação, em que são recorrentes as imagens dos cadernos, dos lápis, da leitura, do encanto pelas palavras e pelos poemas. Um manifesto, enfim, pela sensibilidade e pela delicadeza.

De tudo o que eu tenho visto e lido, é, disparado, o melhor antídoto contra a campanha eleitoral.

(O Globo, Segundo Caderno, 9.9.2010)

========

Cora, é o seguinte: enquanto não tivermos políticos como o governador de Nova Jérsei, esse país não vai para frente.

Categorias:2010, Atualidades, Política

O prêmio Nobel está perdendo credibilidade?

setembro 1, 2010 4 comentários

O Prêmio Nobel sempre foi encarado pelo mundo como um dos prêmios de mais alta credibilidade. Os velhinhos de Oslo sempre tiveram um enorme cuidado em agraciarem o referido prêmio. Mas nos últimos anos, várias controvérsias surgiram com alguns premiados. Principalmente três deles: Obama (Paz), Al Gore (Paz) e Paul Krugman (Economia). Tirando os prêmios de Obama e Gore que poderia ser subjetivos, o de Krugman foi dado em uma categoria científica.

Porém até mesmo uma análise superficial desses recebedores demonstra uma série de argumentos que suportam que os prêmios foram concedidos por decisões políticas, evidenciando uma mudança no estilo das concessões dos prêmios.

Obama é o caso mais explícito. Segundo a academia, Obama foi merecedor do prêmio pelos “sinais positivos” em direção à paz. Trocando em miúdos: foi agraciado por algo que a academia espera que ele faça e não por algo que ele realmente tenha feito. Não estou dizendo que Obama seja um war freak, não é isso. Apenas que é algo bem estranho um Nobel ser dado para alguém que não fez nada além de falar.

O caso de Al Gore é bem diferente de Obama. Al Gore é simplesmente um charlatão. Um político bem habilidoso, que soube aproveitar muito bem das mentes fraquinhas de um espectro político órfão dos ditames da antiga URSS e criou (ou deu impulso) uma nova forma de comunismo: o ecoterrorismo. Sua propaganda política e comercial travestido de documentário recebeu também um Oscar. O fato de quase 100% do que foi apresentado em seu filme ter sido desmascarado pouco depois não inibiu à Academia a dar a Gore o prêmio.

Gore nada mais é que um empresário que utiliza o medo e a falácia para ganhar dinheiro. E se aproveita muito das mentes fracas que falei acima. Conseguiu perceber que os ecochatos e ecobobos não procuram evidências por si mesmas, preferem acreditar no que é dito por outras pessoas principalmente aquelas que colocam frases tão vazias quanto bonitas em seus panfletos.

O resultado dois anos depois? O Painel do IPCC, que dividiu o prêmio com Gore, foi duramente criticado e atingido por escândalos ocorridos como manipulação de dados, notícias e trabalhos científicos fraudulentos, subornos, chantagens e etc. Gore também não escapou. É acusado de usar seus discursos e trabalhos para promover suas empresas de “soluções energéticas”.

O caso do prêmio a Paul Krugman é diferenciado, pois recebeu em uma categoria científica. Krugman é um economista que, dificilmente, pode ser associado com a genialidade de Heyke, Friedman e outros. Porém, e justiça seja feita, tem muitos méritos em seu trabalho. Talvez um dos maiores deles é conseguir transformar a economia em algo inteligível a leitores leigos, coisa que poucos conseguem fazer.

O problema com Krugman é que nos últimos dez anos ele se afastou totalmente da academia, tornando-se, apenas, um partidário político e migrando do campo científico para o campo ideológico. Suas colunas são de uma pequenez cientifica tremenda. Não é difícil encontrar colunas que se desmentem, erros básicos de economia, ataques políticos/partidários e etc. Krugman hoje é a ponta de lança do partido Democrata no NYT. Seu prêmio deu um sinal de alerta para que a academia de Oslo hoje dá mais importância a questão política/partidária que a científica e isso é bastante ruim para um prêmio que sempre prezou por sua pureza científica.

=====================

Atualização

No dia 1 de Setembro um homem armado invadiu a sede da Discovery Communications nos Estados Unidos. O homem, identificado como James J. Lee afirmava que carregava consigo explosivos. O que Lee queria? Simplesmente que a Discovery passasse programas para “advertir sobre a superpopulação do planeta”. Lee afirmava em um manifesto que “o mundo não precisava de seres humanos”. Segundo o agressor, ele teve um “despertar quando assistiu o filme de Al Gore”.

A polícia confirmou que o homem foi morto na operação. Nenhum dos três reféns foi ferido.

Entendem agora quando falo de pessoas de mente fraca serem manipuladas por charlatões? Não é de agora que Al Gore e outros como Dr. Jim Hansen da NASA (outro que abdicou o posto de cientista para se transformar em político) têm incentivado a violência travestida de desobediência civil. Era questão de tempo que uma pessoa fosse ao extremo.