Arquivo

Archive for the ‘Música’ Category

Diversão pura e simples

setembro 15, 2009 Deixe um comentário

Já virou hit no Youtube.

Um cara começa a dançar no festival de música Sasquatch. Por sua maneira, digamos, não convencional ele chama atenção de várias pessoas. Alguns começam a filma-lo. Quando, sem ninguém esperar, o incrível acontece.

Aqui um outra versão com várias tomadas diferentes.

Sensacional.

O ser humano consegue ser realmente iluminado quando quer.

Categorias:Música Tags:

English people are the best!

setembro 2, 2009 2 comentários

 

Sem comentários… precisa?

Categorias:Música Tags:

Síndrome Nirvana

agosto 13, 2009 2 comentários

Sempre gostei de muito de música. Principalmente de rock e seus derivados. Várias bandas de vários estilos me acompanharam durante minha vida. É aquele negócio de fases. Tem dias que acordo querendo escutar algo mais pesado como Iron Maiden, outros dias fico escutando Dave Matthews Band. Minha discoteca inclui bandas clássicas como Queen, Withesnake, Led Zeppelin, Roling Stones, ACDC e outras como Jamiroquai, The Brande New Havies (excelente, recomendo a todos). Mas também ouço muita música clássica, passando por flamenco com Diego El Cigala & Bebo Valdés (sem comentários, um excelente cantor de flamenco encontrando um pianista clássico cubano, nem preciso dizer o resultado) passando por Tito Puente, Juan Luis Guerra entre outros. Sou fã de Plácido Domingos, para mim o melhor de todos por sua capacidade de surfar o clássico e o popular.

Sou cria dos anos 80. Pode ter sido chamado de “década perdida” no Brasil, mas musicalmente foi das melhores. Várias revoluções musicais, experimentações, adaptações, novidades e principalmente qualidade.

Porém para minha tristeza tudo mudou com os anos 90. E eu tenho uma teoria para isso. Vamos aos fatos: um jovem nos anos 70 e 80 ouvindo, por exemplo, Van Halen queria tocar guitarra como o Eddie Van Halen. Era seu ídolo. Outros queriam cantar como David Coverdale ou Freddie Mercury ou Bruce Dickinson. Nos anos 90 isso acabou. A maré mudou com o movimento grunge, que, aliás, não começou com o Nirvana. Bandas como o REM e Pixies já eram expoentes, mas ainda encontrava alguma qualidade musical. Ainda havia um músico ali.

Com o Nirvana foi diferente. Letras tocas, músicas toscas, músicos toscos (o que é impressionante, pois o Foo Fighters do Dave Grohl antigo baterista do Nirvana é pelo menos três milhões de vezes melhor que o próprio Nirvana). E o sucesso do Nirvana, mais impulsionado pelo marketing fonográfico que qualquer coisa acabou com os sonhos dos moleques em serem músicos. Se a fama vinha sem mesmo precisar tocar guitarra ou mesmo cantar direito para que o esforço? Para que ficar horas, dias, semanas estudando seu instrumento?

Quem perdeu foi a música e a própria indústria fonográfica. Foi um tiro no pé. Enquanto o último cd do Iron Maiden é aguardado e comprado pois entre 14 músicas 12 são fantásticas, essas bandas da esteira do Nirvana se esforçam para fazer uma ou duas músicas decentes entre 14 em um álbum. Quem vai querer comprar isso? Melhor baixar na Internet essa ou aquela música.

Continuamos a viver na era da Síndrome Nirvana. Com raríssimas exceções. E é por isso que bandas do passado continuam na ativa e mandando muito bem com o público. O último cd do ACDC é ótimo e está vendendo pacas. O Iron Maiden (que irei falar mais tarde) continua arrastando multidões mesmo sem os milhões gastos em mídia como a maioria das “one hit wonders” de hoje em dia. E esse é o motivo do sucesso de games como o Guitar Hero.

Por isso sempre digo: a primeira banda no Brasil que apresentar algo de mais qualidade, sem cair na fórmula “agitado-calmo” do Nirvana (tipo “Smell Like Teen Spirit” – que aliás é Pixies do começo ao fim) e emplacar um guitar hero  vai estourar. Fica aqui o meu apelo.

Categorias:Música Tags:

Shows Inesquecíveis (1) – Ramones Metropolitan (7 de Março de 1996)

agosto 11, 2009 4 comentários

Era a turnê de encerramento. Não o encerramento de uma turnê. Era o fim dos Ramones.  Batizada de Adiós Amigos, um nome que não poderia ser melhor escolhido. Os Ramones influenciaram toda uma geração de músicos. Quase todas as bandas de rock tem os Ramones como influência. Não vou aqui comentar sobre a importância dos Ramones. Muitas pessoas com mais propriedade que eu já falaram sobre eles. Vou comentar o que eu lembro desse show.

Já tinha ido a outros shows dos Ramones antes, mas esse foi especial. Todos sabiam disso. Último show da banda no Rio de Janeiro. Era quase impossível acreditar que nunca mais veria os Ramones ao vivo novamente. Lembro que o ambiente estava eletrético. O Metropolitan lotado como poucas vezes vi para um show de rock.

O set list foi devastador, ao todo foram 33 músicas. Um petardo atrás do outro, sem descanço:

  • The Good, the Bad and the Ugly
  • Durango 95
  • Teenage Lobotomy
  • Psycho Therapy
  • Blitzkrieg Bop
  • Do You Remember Rock ‘N’ Roll Radio
  • I Believe in Miracles
  • Gimme Gimme Shock Treatment
  • Rock ‘n’ Roll High School
  • I Wanna Be Sedated
  • Spider-Man
  • The KKK Took My Baby Away
  • I Don’t Wanna Grow Up
  • Have You Ever Seen the Rain
  • Sheena Is a Punk Rocker
  • Rockaway Beach
  • Pet Sematary
  • Strength to Endure
  • Cretin Family
  • Do You Wanna Dance?
  • Somebody Put Something in My Drink
  • California Sun
  • Wart Hog
  • Cretin Hop
  • Ramones
  • Today Your Love, Tommorrow the World
  • Pinhead
  • Bis:

  • The Crusher
  • Poison Heart
  • We’re a Happy Family
  • My Back Pages
  • Chinese Rock
  • Beat on the Brat
  • A cada música a plateia pulava e cantava como uma só. Todas as músicas, sem exceção e ao final do show quase ninguém acreditava que tudo havia se acabado. Que não gritaríamos novamente GABBA GABBA HEY.

    Longa vida aos Ramones!

    Categorias:Música Tags: