Arquivo

Archive for the ‘Uncategorized’ Category

Krougman não aguenta e deixa a máscara cair

dezembro 14, 2010 1 comentário

Se alguém ainda duvidava do caráter político partidário da atuação de Krougman em seus artigos no NYT, o que ele escreveu agora vai fazer muita gente chorar…

Krougman diz com todas as letras que  o corte de impostos proposto pelos republicanos é economicamente bom. Porém teme que a repercussão disso, seja desfavorável a Obama e aos democratas.

Ou seja, se a economia começar a melhorar no período e ficar na cabeça das pessoas que os republicanos quiseram uma medida que a maioria dos democratas não queria, o risco de isso se transformas em uma perda de votos nas eleições é grande. E isso Krougman não concorda. Para ele é melhor não tomar essa medida, que ele mesmo acha que pode ajudar a economia, para não prejudicar os democratas no futuro.

É ou não é uma beleza?

Para os que não acretidam, basta ler aqui.

Ainda me assombra o fato desse homem ter recebido um Nobel.

Anúncios

Rapidinha

abril 29, 2010 1 comentário

Sobre a revisão da Lei da Anistia:

Que se danem todos os militares golpistas e torturadores. Quem morram na cadeia. Os que mataram e torturaram do outro lado igualmente. São farinha do mesmo saco, merecem apodrecer abraçados.

Cidinha Campos contra ataca

abril 7, 2010 1 comentário

O pessoal de SP reclama da atuação da imprensa paulista para com o governo de lá. Eu sou leitor da Folha de São Paulo e leio o Estadão on line.

Digo aos amigos paulistas: não chega nem perto da não atuação da imprensa carioca. Abaixo segue um pronunciamento da Deputada Cidinha Campos do PDT na ALERJ

Categorias:Uncategorized

O Pacto Federativo Brasileiro e os Princípios de Subsidiariedade

fevereiro 25, 2010 6 comentários

Grande parte dos problemas existentes na organização social e política brasileira vêm do desequilíbrio entre os três entes federativos que são a União, os Estados e os Municípios. Segundo o Instituto Brasileiro de Planejamento Tributário (IBPT), de todos os impostos e tributos arrecadados no Brasil 69,54% vão para os cofres da União enquanto 25,88% são destinados aos Estados e 4,58% vão para os Municípios.

Fica clara a ascendência econômica da União frente aos Estados o que acarreta vários problemas para a sociedade brasileira. Um dos problemas é político. Como a União detém a maior parte dos recursos os Estados e Municípios constantemente são obrigados a, com o pires nas mãos, barganhar recursos. Isso proporciona vários problemas e distorções no processo político brasileiro: ao invés de estarem desenvolvendo leis e fiscalizando a atuação da União, os deputados federais e senadores constantemente barganham esses recursos em troca de apoio político a demandas da União. A ex-senadora Heloisa Helena constantemente afirmava que o Legislativo havia se tornado um “balcão de negócios do Palácio” com farta distribuição de cargos em empresas estatais e liberação de recursos para investimentos em seus Estados. Vários escândalos foram proporcionados por essa cultura do Estado brasileiro.

Desta maneira a atuação de Governadores e Prefeitos será sempre sujeita a acordos políticos com o Governo Federal.

Alguns afirmam que centralizando recursos na União, as “distorções” entre os Estados podem ser minimizadas. Novamente utilizando dados do IBPT verificamos que os nove estados da região Nordeste arrecadaram 9,09% de toda a contribuição tributária brasileira, enquanto os quatro estados da região Sudeste arrecadaram 64,13% de impostos e tributos no ano de 2009. A busca pelos extremos foi proposital.

Segundo essa teoria a arrecadação dos estados do sudeste seriam utilizados para investir em estados do nordeste. Mais ou menos algo similar está acontecendo com a briga dos royalties do petróleo entre o Rio de Janeiro e Espírito Santo e os estados do Nordeste.

Porém essa teoria possui algumas falhas fundamentais: primeiramente ela é injusta, pois  ela tributa o sucesso dos estados mais desenvolvidos diminuindo a meritocracia. Segundo essa prática contribuiu muito para que Governadores e Prefeitos do Nordeste incrementem ainda mais para o “balcão de negócios” no legislativo e diminui a probabilidade de políticos realmente interessados no desenvolvimento econômico sustentável de suas regiões. Uma prova disso é nos perguntarmos quanto o Brasil já destinou de seus impostos arrecadados ao combate à seca do nordeste.

Passando para um sistema mais racional e justo de tributação, privilegiando os Estados e Municípios frente à União o sistema político brasileiro sofreria uma mudança para melhor. A importância dos Governadores e Prefeitos iria aumentar, trazendo mais responsabilidade não só para os deputados federais, mas como também para os deputados estaduais e vereadores que hoje beiram a inutilidade.

O legislativo não necessitaria mais barganhar recursos do Governo Federal e poderia concentrar-se em sua função e elaborar leis e políticas que beneficiem todo o país.

A descentralização tributária e de recursos também impulsiona algo que poucos brasileiros conhecem que é o “Princípio da Subsidiariedade”. Esse princípio, que consta no Artigo 5º da Constituição Europeia, já era defendido por Aristóteles que “defendia a autonomia dos diversos grupos que formam a sociedade, destacando que cada grupo realiza tarefas específicas e supre suas próprias necessidades e, quando o poder político arroga-se no direito de gerir tudo, suprimindo a atuação dos cidadãos, age como déspota, administrando em lugar de governar” [1].

Esse princípio possui a vantagem de multiplicar as opiniões e capacidade para atuação em diversos campos sociais e políticos. Uma forma clara de conceituar o princípio é que ele “estabelece que as entidades públicas superiores (Estado e União), em termos de competências, devem prevalecer sobre os Municípios somente quando estes, a seu critério, não estiverem aptos a executá-las de modo eficiente. Em outras palavras, os Municípios passam a ser reconhecidos no ordenamento jurídico como os principais e mais capazes agentes do desenvolvimento social, limitados apenas por circunstâncias que exijam, temporária ou permanentemente, o aporte de recursos ou a gestão das entidades superiores.
Esse princípio diz respeito à relação entre os níveis de concentração de poder e os respectivos interesses sociais a ser satisfeitos. A subsidiariedade escalona atribuições em função da complexidade do atendimento dos interesses da sociedade”.

Fazendo um paralelo com o modelo brasileiro poderíamos propor, por exemplo, que na questão da educação os Municípios fossem responsáveis pela educação de segundo grau, os estados pela educação universitária deixando apenas para o Governo Federal os institutos de pesquisa como o ITA e o INPE. Na área de saúde o processo seria similar, com os Municípios responsáveis pelos postos de saúde, deixando os hospitais para os Estados e o Governo Federal com as instituições como a Fio Cruz, o Butantã e os Institutos de referência como o Hospital do Câncer.

[1] O PRINCÍPIO DA SUBSIDIARIEDADE E A REDEFINIÇÃO DO PAPEL DO ESTADO NO BRASIL, (Montelello, Marianna Souza Soares 2002)

Categorias:Uncategorized

Vigarista do Ano de 2009: Rajendra Pachauri – Chefe do IPCC da ONU

fevereiro 5, 2010 Deixe um comentário

O número 1 do IPCC, o Painel para Mudanças Climáticas da ONU, ganhou u prêmio de vigarista do ano por este Blog. Apesar de todos os escândalos sobre manipulações de estudos, que deveriam ser científicos, mas só tinham como intenção de corroborar a tese de aquecimento global antropogênico, o Sr. Rajendra Pachauri, ganhador do Prêmio Nobel continua sua saga para colocar goela abaixo a teoria do AGW (antrophogenic global warming).

Vigarista do Ano de 2009

O principal motivo para isso é econômico. O Sr. Rejandra ganha muito dinheiro enganando governos e empresas com suas mentiras. O último escândalo se deu por conta do suposto desaparecimento dos glaciais do Himalaia em 25 anos. Segundo o Sr. Rajendra e seu IPCC os glaciais himalaicos estavam fadados a desaparecer. Essa conclusão, dizia, foi resultado de um “estudo cientifico”. A verdade era que o tal estudo científico nunca existiu e o caso do Himalaia foi extraído em um artigo de jornal que citava uma entrevista feita por telefone com um cientista que deixou claro que era apenas uma suposição. O governo da Índia reagiu prontamente, ameaçando a se desligar do IPCC por conta das mentiras contadas pelo órgão da ONU.

Os indianos sabem que há muito em jogo nessa história toda e sabe que o IPCC não passa de uma arma política para satisfazer a sanha monetária de alguns espertalhões como Al Gore, George Soros e outros barões doidos para negociar como cap and trade (comércio de créditos de carbono).

Motorista particular... Que chique!

Mais um motivo é que o Sr. Rejandra não faz aquilo que prega. Um jornalista ficou uma semana seguindo o chefão do IPCC e descobriu coisas interessantes, como apesar de morar a menos 2 km de sua residência avaliada em 4,5 milhões de libras, o Sr. Rejandra prefere fazer o trajeto não andando e nem mesmo de bicicleta como ele apregoa, mas sim a bordo de um Toyota com motorista particular. E isso apesar de possuir uma frota de três carros elétricos que ficam pegando poeira na garagem.

Depósito de Poeira

Muitas outras questões pairam sobre os ombros do nosso Vigarista do Ano de 2009, como seus negócios que incluem bancos, empresas de óleo e energia e fundos envolvidos no comércio de crédito de carbono. Alguém aí falou em conflito de interesses?

Então por todos esses motivos, por mentir descaradamente para o mundo – com a anuência da maioria da imprensa mundial -, por não realizar aquilo que ele recomenda a outros, por suas negociatas e muito mais o Sr. Rejandra Pachuari, chefe do IPCC da ONU tem a honra (duvidosa) de ser eleito o nosso Vigarista do Ano de 2009!

Pedro Dória

janeiro 28, 2010 2 comentários

Provavelmente essa já é uma notícia velha para muitos. O Pedro Dória, que na minha opinião foi o maior blogueiro do universo da web brasileira juntamente com o Idelber Avelar, voltou a escrever. Seu blog atual é mais ligado a sua atual posição como editor de informática do Estadão, porém os textos continuam com a mesma qualidade como não poderia deixar de ser.

O link para o seu blog está no blog roll logo alí na esquerda. Divirtam-se.

Categorias:Uncategorized

Informe de Inteligência

China parte para o ataque…

– O Contra Almirante chinês Yin Zhuo afirmou que a China deveria possuir uma base naval que dê suporte às operações contra a pirataria no Golfo de Aden. Afirmou que não é o caso de uma expansão naval chinesa, apenas que a base serviria de apoio para esse tipo de operação. Sua declaração veio dias após um navio chinês e sua tripulação de 25 marinheiros ter sido resgatado das mão dos piratas somaliano. Não se sabe se houve pagamento de resgate apesar dos especialistas afirmarem que é a possibilidade mais plausível.

A Índia, que disputa a hegemonia do Golfo de Aden com a China ficou de cabelos em pé. Muito provavelmente o Contra Almirante lançou a declaração, que segundo ele é uma posição pessoal, para verificar a reação internacional. Conhecendo a China, declarações pessoais é algo que não existe.

– Uma lei chinesa causou reações no Vietnam e no Japão a respeito de ilhas que esses países reivindicam como território. De acordo com essa lei as ilhas de Spratly e Paracel seriam territórios chineses. O Vietnam protestou. A lei também engloba ilhas em disputa com o Japão e a ilha de Taiwan.

…e o Japão e a Índia reagem

– O Japão e a Índia iniciaram acordos bilaterais de cooperação em segurança. Segundo esse acordo os países irão garantira a segurança de livre passagem de navios comerciais no Oceano Indico. Japão e a Índia não são competidores porém possuem um inimigo comum que é a China

Índia muda sua doutrina militar

– A Índia decidiu reformular sua doutrina militar para prever uma guerra em dois fronts contra a China e o Paquistão. A nova doutrina prevê que em um conflito a China e o Paquistão juntariam seus esforços de guerra. Novas unidades foram estacionadas na fronteira com a China na região disputada de Aksai Chin.

Yemem a Al Qaeda

– O governo do Yemem afirmou que existem cerca de 300 membros da Al Qaeda no país. Pat Buchanan comentou que a tentativa de ataque terrorista recente demonstrou a inutilidade da Guerra no Afeganistão. Não concordo com ele. O aumento de operativos da Al Qaeda no Yemem é consequência direta das guerras no Iraque, Afeganistão, Paquistão e das operações realizadas pela Arábia Saudita. A Al Qaeda escolheu o Yemem pelo seu governo fraco e população pobre e pela proximidade com a Arábia Saudita.

Coréia do Norte e sua economia

– A Coréia do Norte continua sua desastrada tentativa de melhorar sua economia. Recentemente lançou uma lei proibindo o uso de moedas estrangeiras no país. Alguns analistas afirmam que o pacote foi uma tentativa atrapalhada de uma abertura econômica. Infelizmente os Norte Coreanos confundiram abertura econômica com uma maior centralização e estatização do sistema.

Categorias:Uncategorized