Arquivo

Posts Tagged ‘Economia’

A religião Krugman

setembro 23, 2010 1 comentário

Já falei por aqui como Krugman virou uma fraude de si mesmo, deixando de ser um analista econômico apenas para se tornar um defensor das políticas democratas no NYT. O pior que o homem ainda ganhou um Nobel que muitos não entendem porque.

O artigo abaixo demonstra como Krugman atira para todos os lados na defesa do seu ponto de vista. Mente, desmente, diz que não disse, ignora o que falou anteriormente como se não tivesse falado, ataca pessoas que pensam de maneira diferente da dele.

Nele, o economista indiano Raghuram Rajan demonstra as táticas utilzadas por Krugman durante anos. Excelente leitura. Dica do Igor no Mosca Azul.

Correcting Krugman

By RAGHURAM G. RAJAN

Paul Krugman and Robin Wells caricature my recent book Fault Lines in an article in The New York Review of Books. The article, and their criticism, however, do have a lot to say about Krugman’s policy views (for simplicity, I will say “Krugman” and “he” instead of “Krugman and Wells” and “they”), which I have disagreed with in the past. Rather than focus on the innuendo about my motives and beliefs in the review, let me focus on differences of substance. I will return to why I believe Krugman writes the way he does only at the end.

First, Krugman starts with a diatribe on why so many economists are “asking how we got into this mess rather than telling us how to get out of it.”  Krugman apparently believes that his standard response of more stimulus applies, regardless of the reasons why we are in the economic downturn. Yet it is precisely because I think that the policy response to the last crisis contributed to getting us into this one that it is worthwhile examining how we got into this mess, and to resist the unreflective policies that Krugman advocates.

My book emphasizes a number of related fault lines that led to our current predicament. Krugman discusses and dismisses two — the political push for easy housing credit in the United States and overly lax monetary policy in the years 2002-2005 — while favoring a third, the global trade imbalances (which he does not acknowledge are a central theme in my book). I will argue shortly, however, that focusing exclusively on the imbalances as Krugman does, while ignoring why the United States became a deficit country, gives us a grossly incomplete understanding of what happened. Finally, Krugman ignores an important factor I emphasize — the incentives of bankers and their willingness to seek out and take the tail risks that brought the system down.

Let me start with the political push to expand housing credit. I argue that in an attempt to offset the consequences of rising income inequality, politicians on both sides of the aisle pushed easy housing credit through government units like the Federal Housing Administration, and by imposing increasingly rigorous mandates on government-sponsored enterprises such as Fannie Mae and Freddie Mac. Interestingly, Krugman neither disputes my characterization of the incentives of politicians, nor the detailed documentation of government initiatives and mandates in this regard. What he disputes vehemently is whether government policy contributed to the housing bubble, and in particular, whether Fannie and Freddie were partly responsible.

In absolving Fannie and Freddie, Krugman has been consistent over time, though his explanations as to why Fannie and Freddie are not partially to blame have morphed as his errors have been pointed out.  First, he argued that Fannie and Freddie could not participate in sub-prime financing. Then he argued that their share of financing was falling in the years mortgage loan quality deteriorated the most.  Now he claims that if they indeed did it (and they did not), it was because of the profit motive and not to fulfill a social objective. Let me offer details.

In a July 14, 2008 op-ed in The New York Times, Krugman explained why Fannie and Freddie were blameless thus:

Partly that’s because regulators, responding to accounting scandals at the companies, placed temporary restraints on both Fannie and Freddie that curtailed their lending just as housing prices were really taking off. Also, they didn’t do any subprime lending, because they can’t: the definition of a subprime loan is precisely a loan that doesn’t meet the requirement, imposed by law, that Fannie and Freddie buy only mortgages issued to borrowers who made substantial down payments and carefully documented their income. So whatever bad incentives the implicit federal guarantee creates have been offset by the fact that Fannie and Freddie were and are tightly regulated with regard to the risks they can take. You could say that the Fannie-Freddie experience shows that regulation works. [emphasis mine]

Critics were quick to point out that Krugman had his facts wrong. As Charles Calomiris, a professor at Columbia University, and Peter Wallison, of the American Enterprise Institute (and member of the Financial Crisis Inquiry Commission), explained, “Here Krugman demonstrates confusion about the law (which did not prohibit subprime lending by the GSEs), misunderstands the regulatory regime under which they operated (which did not have the capacity to control their risk-taking), and mismeasures their actual subprime exposures (which he wrongly states were zero).”

So Krugman shifted his emphasis. In his blog critique of a Financial Times op-ed I wrote in June 2010, Krugman no longer argued that Fannie and Freddie could not buy sub-prime mortgages. Instead, he emphasized the slightly falling share of Fannie and Freddie’s residential mortgage securitizations in the years 2004 to 2006 as the reason they were not responsible. Here again he presents a misleading picture. Not only did Fannie and Freddie purchase whole sub-prime loans that were not securitized (and are thus not counted in its share of securitizations), they also bought substantial amounts of private-label mortgage-backed securities issued by others. When these are taken into account, Fannie and Freddie’s share of the sub-prime market financing did increase even in those years.

“Asset prices and bubbles have momentum. Even if Fannie and Freddie had simply ignited the process, and not fueled it in the go-go years of 2004-2006, they would bear some responsibility.” 

Of course, one could question this form of analysis. Asset prices and bubbles have momentum. Even if Fannie and Freddie had simply ignited the process, and not fueled it in the go-go years of 2004-2006, they would bear some responsibility. Krugman never considers this possibility.

In the current review piece, Krugman first quotes the book by Nouriel Roubini and Stephen Mihm: “The huge growth in the subprime market was primarily underwritten not by Fannie Mae and Freddie Mac but by private mortgage lenders like Countrywide. Moreover, the Community Reinvestment Act long predates the housing bubble…. Overblown claims that Fannie Mae and Freddie Mac single-handedly caused the subprime crisis are just plain wrong.”

Clearly, Fannie and Freddie did not originate sub-prime mortgages directly — they are not equipped to do so. But they fuelled the boom by buying or guaranteeing them. Indeed, Countrywide was one of their largest originators of sub-prime mortgages, according to work by Ed Pinto, a former chief credit officer of Fannie Mae, and participated from very early on in Fannie Mae’s drive into affordable housing.

For instance, consider this press release from 1992:

Countrywide Funding Corporation and the Federal National Mortgage Association (Fannie Mae) announced today that they have signed a record commitment to finance $8 billion in home mortgages.  Fannie Mae said the agreement is the single largest commitment in its history…The $8 billion agreement includes a previously announced $1.25 billion of a variety of Fannie Mae’s affordable home mortgages, including reduced down payment loans…

“We are delighted to participate in this historic event, and we are particularly proud that a substantial portion of the $8 billion commitment will directly benefit lower income Americans,” said Countrywide President Angelo Mozilo…”We look forward to the rapid fulfillment of this commitment so that Countrywide can sign another record-breaking agreement with Fannie Mae,” Mozilo said.

“Countrywide’s commitment will provide home financing for tens of thousands of home buyers, ranging from lower income Americans buying their first home to middle-income homeowners refinancing their mortgage at today’s lower rates,” said John H. Fulford, senior vice president in charge of Fannie Mae’s Western Regional Office located here.

Of course, as Fannie and Freddie bought the garbage loans that lenders like Countrywide originated, they helped fuel the decline in lending standards. Also, while the Community Reinvestment Act was enacted in 1979, it was the more vigorous enforcement of the provisions of the Act in the early 1990s that gave the government a lever to push its low-income lending objectives, a fact the Department of Housing and Urban Development (HUD) was once proud of (see the HUD press releases below).

Perhaps more interesting is that after citing Roubini and Mihm, Krugman repeats his earlier claim: “As others have pointed out, Fannie and Freddie actually accounted for a sharply reduced share of the home lending market as a whole during the peak years of the bubble.” Now he attributes the inaccurate claim that Fannie and Freddie accounted for a sharply reduced share of the home lending market to nameless “others.” But that is just the prelude to changing his story once again: “To the extent that they did purchase dubious home loans, they were in pursuit of profit, not social objectives—in effect, they were trying to catch up with private lenders.”  In other words, if they did do it (and he denies they did), it was because of the profit motive.

Clearly, everything Fannie and Freddie did was because of the profit motive — after all, they were private corporations. But I don’t know how we can tell without more careful examination how much of the lending they did was to meet the government’s affordable housing mandates or to curry favor with Congress in order to preserve their profitable prime mortgage franchise, and how much was to increase the bottom line immediately.  Perhaps Krugman can tell us how he determined their intent?

Interestingly, before the housing market collapsed, HUD proudly accepted its role in pushing low-income lending through the various levers that Krugman now denies were used. For instance, in 2000 when it announced that it was increasing Fannie and Freddie’s affordable housing goals, it concluded:

Lower-income and minority families have made major gains in access to the mortgage market in the 1990s. A variety of reasons have accounted for these gains, including improved housing affordability, enhanced enforcement of the Community Reinvestment Act, more flexible mortgage underwriting, and stepped-up enforcement of the Fair Housing Act. But most industry observers believe that one factor behind these gains has been the improved performance of Fannie Mae and Freddie Mac under HUD’s affordable lending goals. HUD’s recent increases in the goals for 2001-03 will encourage the GSEs to further step up their support for affordable lending.”

And in 2004, when it announced yet higher goals, it said:

Over the past ten years, there has been a ‘revolution in affordable lending’ that has extended homeownership opportunities to historically underserved households. Fannie Mae and Freddie Mac have been a substantial part of this ‘revolution in affordable lending’. During the mid-to-late 1990s, they added flexibility to their underwriting guidelines, introduced new low-down payment products, and worked to expand the use of automated underwriting in evaluating the creditworthiness of loan applicants. HMDA data suggest that the industry and GSE initiatives are increasing the flow of credit to underserved borrowers. Between 1993 and 2003, conventional loans to low income and minority families increased at much faster rates than loans to upper-income and nonminority families.

IIf the government itself took credit for its then successes in expanding home ownership, why is Krugman not willing to accept its contribution to the subsequent bust as too many lower middle-class families ended up in homes they could not afford? I agree there is room for legitimate differences of opinion on the quality of data, and the extent of government responsibility, but to argue that the government had no role in directing credit, or in the subsequent bust, is simply ideological myopia.

Let me move on to Krugman’s second criticism of my diagnosis of the crisis. He argues that the Fed’s very accommodative monetary policy over the period 2003 to 2005 was also not responsible for the crisis. Here Krugman is characteristically dismissive of alternative views. In his review, he says that there were good reasons for the Fed to keep rates low given the high unemployment rate. Although this may be a justification for the Fed’s policy (as I argue in my book, it was precisely because the Fed was focused on a stubbornly high unemployment rate that it took its eye off the irrational exuberance building in housing markets and the financial sector), it in no way validates the claim that the policy did not contribute to the manic lending or housing bubble.

A second argument that Krugman makes is that Europe too had bubbles and the European Central Bank was less aggressive than the Federal Reserve, so monetary policy could not be responsible. It is true that the European Central Bank was less aggressive, but only slightly so: It brought its key refinancing rate down to only 2 percent, while the Fed brought the Fed Funds rate down to 1 percent. Clearly, both rates were low by historical standards. More important, what Krugman does not point out is that different Euro-area economies had differing inflation rates, so the real monetary policy rate was substantially different across the Euro area despite a common nominal policy rate. Countries that had strongly negative real policy rates — Ireland and Spain are primary exhibits — had a housing boom and bust, while countries like Germany with low inflation, and therefore higher real policy rates, did not. Indeed, a working paper by two ECB economists, Angela Maddaloni and José-Luis Peydró, indicates that the ultra-low rates enforced by both the ECB and the Fed at this time had a strong causal effect in relaxing banks’ commercial, mortgage, and retail lending standards over this period.

I admit that there is much less consensus on whether the Fed helped create the housing bubble and the banking crisis than on whether Fannie and Freddie were involved. Ben Bernanke, a monetary economist of the highest caliber, denies it, while John Taylor, an equally respected monetary economist insists on it. Some Fed studies accept responsibility while others deny it. Krugman, of course, has an interest in defending the Fed and criticizing alternative viewpoints. He himself advocated the policies the Fed followed, and in fact, was critical of the Fed raising rates even when it belatedly did so in 2004. Then, as he does now, Krugman emphasized the dangers from a Japanese-style deflation, as well as the slow progress in bringing back jobs. Then, as he does now, he advocated more stimulus. Then, as he does now, Krugman ignored the longer term adverse consequences of the policies he advocated.

“The United States did not have to run a large trade deficit and absorb the capital inflows – the claim that it had to sounds very much like that of the over-indulgent and over-indebted rake who blames his creditors for being willing to finance him. “ 

Finally, if he denies a role for government housing policies, or for monetary policy, or even for warped banker incentives, then what does Krugman attribute the crisis to? His answer is over-saving foreigners. Put simply, trade-surplus countries like Germany and China had to reinvest their financial surpluses in the United States, pushing down long-term interest rates in the process, and igniting a housing bubble that eventually burst and led to the financial panic. But this is only a partial explanation, as I argue in my book. The United States did not have to run a large trade deficit and absorb the capital inflows – the claim that it had to sounds very much like that of the over-indulgent and over-indebted rake who blames his creditors for being willing to finance him. The United States’s policies encouraged over-consumption and over-borrowing, and unless we understand where these policies came from, we have no hope of addressing the causes of this crisis.  Unfortunately, these are the policies that Krugman wants to push again. This is precisely why we have to understand the history of how we got here, and why Krugman wants nothing to do with that enterprise.

There is also a matter of detail suggesting why we cannot only blame the foreigners. The housing bubble, as Monika Piazzesi and Martin Schneider of Stanford University have argued, was focused in the lower income segments of the market, unlike in the typical U.S. housing boom. Why did foreign money gravitate to the low income segment of the housing market? Why did past episodes when the U.S. ran large current account deficits not result in similar housing booms and busts?  Could the explanation lie in U.S. policies?

My book suggests that many — bankers, regulators, governments, households, and economists among others — share the blame for the crisis. Because there are so many, the blame game is not useful. Let us try and understand what happened in order to avoid repeating it. I detail the hard choices we face in the book. While it is important to alleviate the miserable conditions of the long-term unemployed today, we also need to offer them incentives and a pathway to building the skills that are required by the jobs that are being created. Simplistic mantras like “more stimulus” are the surest way to distract us from policies that generate sustainable growth.

Finally, a note on method. Perhaps Krugman believes that by labeling other economists as politically extreme, he can undercut their credibility. In criticizing my argument that politicians pushed easy housing credit in the years leading up to the crisis, he writes,  “Although Rajan is careful not to name names and attributes the blame to generic ‘politicians,’ it is clear that Democrats are largely to blame in his worldview.” Yet if he read the book carefully, he would have seen that I do name names, arguing both President Clinton with his “Affordable Housing Mandate” (see Fault Lines, page 35), as well as President Bush with his attempt to foster an “Ownership Society” (see Fault Lines, page 37) pushed very hard to expand housing credit to the less well-off. Indeed, I do not fault the intent of that policy, only the unintended consequences of its execution. My criticism is bipartisan throughout the book, including of the fiscal policies followed by successive administrations. Errors of this kind by an economist of Krugman’s stature are disappointing.

Regulação x Livre Mercado: complementares e não excludentes

março 19, 2010 10 comentários

Um resultado a crise que assolou o mundo nos últimos anos foi o debate entre livre comércio e regulação. Os adeptos da presença do governo nos mercados afirmam que a crise só ocorreu devido à falta de regulações, ou seja, culpam pela crise o que chamam de liberalismo. Já os liberais, como eu, afirmam que regulações sempre existiram e que o mercado onde se originou a crise é um dos mais regulados do mundo. Porém, se há algo unânime foi que o primeiro indício da crise se deu com a quebra do banco de investimento Lehman Brothers.

Uma notícia veiculada no Financial Times e replicada no El País coloca mais lenha nesse debate. Segundo os diários a Merrill Lynch, concorrente do Lehman, avisou às autoridades competentes sobre a maquiagem nos balanços do banco de investimento. A suspeita originou-se devido ao comunicado do Lehman Brothers sobre sua liquidez, informando ao mercado que seria o banco mais líquido da concorrência. Ao receber telefonemas e indagações de seus clientes, os funcionários da Merrill Lynch suspeitaram e não consideraram críveis as alegações do concorrente: “Lehman estava dizendo ao mundo que contava com liquidez de sobra e nós sabíamos que não poderiam estar melhores que nós”, afirmou um funcionário da Merril Lynch. Semana passada um tribunal de falência de Nova Iorque afirmou em um comunicado que os responsáveis pelo banco de investimento maquiaram suas contas para esconder as dificuldades da entidade.

Isso nos leva a mais um capítulo onde as seguintes perguntas são evidentes: a) se houve maquiagem, houve crime; b) se houve crime foi porque uma lei já existente foi quebrada; c) os responsáveis por averiguar às leis são o FED e a SEC principalmente, onde estavam esses organismos?

E para finalizar, o mais importante: muitos dizem cobras e lagartos sobre a autorregulação do mercado, dizem que é algo que não existe. Esse caso mostra que existe sim, o que falhou foi a fiscalização e a atuação dos órgãos competentes. O fato de um concorrente direto ter avisado às entidades competentes sobre o que estava ocorrendo mostra isso.

É lógico que os liberais acreditam que leis devam existir por isso uma das metas dos liberais é o que chamamos de Império das Leis, onde essas devem ser escritas e cumpridas de forma a garantir um funcionamento competitivo e justo não só do mercado, mas de todas as outras interações econômicas, seja entre dois mega bancos de investimento ou na compra de um picolé na padaria da esquina.

A maior crítica dos liberais ao leviatã governamental é sobre a crença de que alguns têm em uma entidade imaginária chamada Estado, como se essa não fosse composta por pessoas passíveis dos mesmos erros e interesses existentes no mercado. Acreditam piamente quando alguém veste a túnica de governo passam a possuir ideias geniais, poderes celestiais e ficam desprovidas de todo e qualquer interesse próprio, tornando-se assim seres totalmente altruístas e providos de uma bondade divina.

Os liberais acreditam que não é por aí, e quanto mais simples, claras, objetivas às leis é melhor para todos, desde o próprio Estado que tem maior capacidade de regulação e, principalmente, fiscalização do cumprimento dessas leis, e para o mercado (incluindo o consumidor) que pode dessa maneira escolher, através das milhões de interações sociais, que em todos os aspectos são mais inteligentes do que meia dúzia de burocratas que se acham mais inteligentes que os milhões de consumidores, possam fiscalizar e cobrar maior clareza e accountability das empresas as quais mantêm contato.

P.S.: Você elegeria um provado incompetente para ser CEO de sua empresa? Você contrataira alguém que falhou miseravelmente em suas responsabilidades para gerir seu patrimônio? Pois bem, foi exatamente isso que  administração Obama fez ao colocar como Secretário do Tesouro (o homem com a chave do cofre) o ex-presidente do FED de Nova Iorque, Timothy Geithner, que era o responsável em fiscalizar não só o Lehaman Brothers, mas quase todas as outras instituições atingidas pela crise. Excelente caso de alguém que “caiu para cima”.

P.S.2: Muitos dos que chamam hoje de Keynesianos, ou neo keynesianos não fazem a menor idéia do que Keynes realmente dizia. Na verade isso não é novidade. Muitos dos que se chamam de Marxistas nunca leram Marx (aliás Reagan, um dos maiores presidentes americanos, tinha uma tirada excelente: “marxistas são aqueles que dizem que leram Marx; anti-marxistas são aqueles que leram Marx e entenderam o que ele quis dizer). Para entender realmente o que Keynes representou recomendo ler esse texto do meu companheiro de Redel Liberal, Rubem de Freita Novaes.

Entrevista com o economista Eduardo Giannetti

março 15, 2010 7 comentários

Confesso que só li essa entrevista hoje apesar te ter sido publicada no Valor Econômico em Novembro de 2009. Ela resume bem muito do que acredito estar acontecendo no Brasil, principalmente no aspecto de poupança interna.

Outro ponto positivo foi a atuação da jornalista Ana Paula Paiva. Demonstrou conhecimento do assunto com perguntas e réplicas ao entrevistado. Muito acima da média.

Entrevista de Eduardo Giannetti ao Valor Econômico

Instituto Millenium

Ana Paula Paiva/Valor

Eduardo Giannetti: resposta à crise trouxe alívio no curto prazo, mas “implica sacrifício e perdas de crescimento potencial num segundo momento”O economista Eduardo Giannetti não entra na onda de euforia em relação à economia brasileira. Professor do Insper, ele reconhece que o Brasil vive um momento positivo, mas teme a repetição dos erros que marcaram boa parte da história econômica nos últimos 50 anos. “É a história de um país com a vocação do crescimento, mas sem a vocação da poupança, que tenta desesperadamente contornar essa restrição por meio de algum tipo de esperteza, que logo se mostra limitada.” Para ele, começa a se criar uma situação parecida com as observadas nos governos de Juscelino Kubitschek (1956-61) e Ernesto Geisel (1974-79).

O atalho de Juscelino foi a inflação, enquanto Geisel usou a abundância de capital externo – os petrodólares – para fazer o II Plano Nacional de Desenvolvimento (PND), colocando o pé no acelerador num momento em que o mundo inteiro se ajustava ao choque do petróleo, lembra Giannetti. Desses dois períodos, resultaram problemas graves, que prejudicaram posteriormente a economia do país.A dúvida de Giannetti é se o Brasil terá maturidade desta vez para transformar o momento favorável “num crescimento equilibrado”. O risco, alerta ele, é viver uma espécie de surto, que se interrompe rapidamente por conta de eventuais desequilíbrios – ou monetário ou nas contas externas. Um país que poupa pouco tem dificuldade em financiar o investimento, destaca Giannetti. “O capital externo, bem aproveitado, pode ajudar esse processo, mas ele é coadjuvante. E isso tem que ser feito com muito critério, se não gera problemas de insolvência externa.”

O economista diz ainda que o ajuste brasileiro à crise, com incentivo ao consumo privado e aumento dos gastos públicos, deu alívio no curto prazo, mas implica sacrifício e perdas de crescimento potencial num segundo momento. “Todo esse aumento do consumo privado e do gasto corrente do governo significa uma queda importante da poupança doméstica e da capacidade de investimento no futuro próximo”, afirma ele, que destaca outra grande fragilidade brasileira: o pouco esforço na formação de capital humano, evidente no fraquíssimo desempenho de estudantes brasileiros em testes internacionais de aprendizado.

Giannetti voltou há algumas semanas de Tiradentes, em Minas Gerais, onde passou quatro temporadas neste ano para escrever o seu novo livro, que trata da “relação entre o cérebro e a mente, tangenciando em alguma coisa a neuroeconomia”. Se tudo correr conforme o planejado, sairá no primeiro semestre de 2010. A seguir, os principais trechos da entrevista.

Valor: O Brasil saiu rapidamente da crise, com o mercado de trabalho passando relativamente intacto. Por que o Brasil sofreu pouco?

Eduardo Giannetti: Em parte por razões circunstanciais e em parte por razões de mérito. Uma razão pela qual o Brasil foi pouco afetado é que não é muito integrado ao fluxo global de comércio, ao contrário do Chile ou mesmo do México. O México exporta 80% do que vende para o mundo para um único mercado, que é o americano. Eles vão ter neste ano uma recessão cavalar de 7%. A robustez do mercado doméstico protegeu muito o Brasil. Nós estávamos com as contas externas em ordem, com reservas que superam nossos compromissos externos de dívida pública e privada. Nós tivemos também uma política monetária que pode ter pecado pelo exagero em alguns momentos, mas nunca errou o sinal na direção do movimento. Isso nos permitiu reduzir os juros durante uma crise internacional, coisa que não se via no Brasil há tanto tempo. Houve também uma reação de política econômica que no curto prazo trouxe grande alívio, mas deixará sequelas e problemas olhando um pouco mais à frente.

Valor: Por quê?

Giannetti: O modelo brasileiro de ajuste à mudança do cenário externo foi o estímulo ao consumo privado e um aumento do gasto público, do gasto corrente. O gasto corrente do governo já havia sido contratado antes da crise, como o aumento das aposentadorias, do salário mínimo, o reajuste do funcionalismo. Por uma coincidência, isso se materializou durante a crise. Houve um estímulo ao consumo privado por meio da redução dos impostos que incidem sobre bens de consumo duráveis, além de uma pressão política do governo para que o sistema bancário estatal aumentasse a oferta de crédito, num momento em que o setor privado se retraía. O caminho de ajuste do Brasil não foi o melhor do ponto de vista de criar condições para um crescimento sustentado mais à frente, tanto que todo esse aumento do consumo privado e do gasto corrente do governo significa uma queda importante da poupança doméstica e da capacidade de investimento no futuro próximo. Esse é o ponto que me preocupa. Nós fizemos um ajuste que dá grande alívio e conforto no curto prazo, mas implica sacrifício e perdas de crescimento potencial num segundo momento.

Leia mais…

Categorias:Economia, Política Tags:,

¿Qué passa, Venezuela?

janeiro 27, 2010 10 comentários

 A situação na Venezuela degenera-se a cada dia. Vou tentar abster-me às óbvias inclinações ditatoriais de Hugo Chávez e seu bolivarianismo e ater-me às causas econômicas da crise em um primeiro momento. Bom, se isso for possível pois há óbvias ligações entre a ditadura de feitio socialista na Venezuela e seu estado econômico atual. 

Pouco tempo depois de assumir o poder na Venezuela, Hugo Chávez iniciou sua marcha ao “Socialismo do século XXI”, o que não passou de medidas antiliberais, antimercado, centralizadoras e de confrontação ao capitalismo. Apesar de na sua campanha presidencial Chávez ter se comportado como um respeitador das leis econômicas, logo após assumir a presidência ele impôs sua agenda socializante.

Uma das primeiras medidas foi dissolver o Congresso, convocar uma Assembleia Constituinte e abolir o Senado (essas medidas são defendidas por alguns grupos de esquerda no Brasil, inclusive grupos dentro do PT e não é mera coincidência). A nova carta ampliou os poderes do mandatário para intervir em quase tudo. Chávez convocou uma nova eleição e apesar de inúmeras evidências de fraudes, foi “eleito” com 55% dos votos. Embasado pela “Ley Habilitante”, ele promulgou 49 decretos em um ano, sem necessitar da aprovação da Assembleia Nacional.

Um desses decretos era a Lei de Hidrocarbonetos, que fixava a participação estatal no setor petrolífero em 51% e a Lei de Terras e Desenvolvimento Agrário, prevendo a expropriação de latifúndios. Após uma greve geral em que houve dezenas de mortos em confronto com a polícia e partidários de Chávez, ele substitui a diretoria da PDVSA a empresa estatal de petróleo responsável por grande parte do orçamento da Venezuela.

As consequências de tais atos não tardam a aparecer: primeiramente empresas internacionais que tiveram bens nacionalizados decidem não mais investir na indústria petrolífera venezuelana e os diretores impostos por Chávez por conta de sua amizade não conseguem manter o padrão de produção da empresa. Pouco a pouco a quantidade de barris produzidos pela PDVSA começa a cair.

Em 2005 a oposição desiste de participar das eleições por conta das fraudes ocorridas e porque Chávez modificou as leis eleitorais e colocou juízes tanto no Supremo quanto no departamento eleitoral que são seus seguidores. Foi o maior erro da oposição. Logicamente, Jimmy Carter foi convocado para “referendar” as eleições. Aliás, essa é a especialidade de Jimmy Carter: referendar as eleições fraudadas de toda a esquerda latino americana.

Porém era época de vacas gordas, o preço do barril de petróleo batia recorde atrás de recorde. O dinheiro do ouro negro inunda os cofres venezuelanos e muitos acreditavam que esse ingresso de divisas iria causar a “doença holandesa” quem em pormenores diz que quando há um enorme ingresso de dinheiro no caixa de países isso pode causar a desindustrialização do mesmo. Muito se debate nos meios acadêmicos se algo assim acontece no Brasil ou se poderia acontecer no caso do pré-sal ser aquilo tudo mesmo que o governo vende aos brasileiros (sem a menor prova ou evidência se sequer será economicamente viável extrair petróleo no pré-sal).

No caso da Venezuela, que já caminhava a passos largos para uma ditadura militar, a “doença holandesa” encontrou um ambiente bem favorável: uma protoditadura com poderes extraordinários sobre a economia e propriedades privadas. Chávez aproveitou o dinheiro para expandir sua “revolução” para outros países, influenciando eleições na Bolívia, Equador, Guatemala e em outros países nem sempre com o mesmo sucesso. Gastou muito dinheiro fazendo isso, conquistando aliados comprados e inimigos ferrenhos.

Porém um dia a festa acabou. Devido à crise a cotação do petróleo despencou e o ingresso de divisas diminui bastante. Aqui a coisa se torna um pouco mais economês. Chávez para manter sua revolução realizava enormes gastos. Enquanto esses eram custeados pelo ingresso de dólares oriundos do petróleo ele conseguia manter certo equilíbrio mesmo que os sinais de que alguma coisa estava errada já estivessem acontecendo. E o primeiro sinal é a diferença entre a cotação do dólar no câmbio oficial e a cotação do dólar no paralelo. Para aqueles que não entendem como o mercado funciona esses sinais nunca serão entendidos.

Com uma inflação na faixa de 30% por conta dos gastos governamentais, as receitas devem crescer na mesma taxa da inflação ou até mesmo mais. Enquanto o preço do petróleo crescia mais ou menos nessa taxa estava tudo bem. Mas como os preços se estabilizaram uma maxidesvalorização foi necessária. Mas antes disso, em sua política populista, Chávez já havia tabelado preços de vários produtos, expropriado fazendas produtivas, empresas produtivas, cortado zeros em sua moeda.

Nós brasileiros já havíamos visto esse filme antes e sabemos o resultado: escassez de produtos, inflação, mercado negro, filas, dependência de importação e etc. Chávez também nacionalizou bancos privados, inclusive de apoiadores seus os chamados de “boligurguesia” que são aqueles que enriqueceram enormemente e rapidamente com o governo Chávez. Porém o motivo é bem diferente: Chávez nacionalizou os bancos para que suas operações ilegais não acabassem expostas quando da quebra desses bancos. Ele salvou sua própria pele. Com a maxidesvalorização da moeda, Chávez tenta manter seu poder de compra.

Se não me engano foi Dilma Rousseff, aquela que recentemente afirmou que ainda não era candidata à presidência apesar de já estar em campanha há pelo menos dois anos, que disse “Gasto (público) corrente é vida”. Chávez também entende assim. Então a maxidesvalorização tem como principal componente a possibilidade do príncipe em manter seus gastos e salvar sua “revolução” o fato que esse ano haverá eleições na Venezuela é um forte indicativo. E a inflação? Bom, às favas. Essa deve aumentar mais ainda, sacrificando ainda mais o povo venezuelano.

Fica claro que a Venezuela usava duas formas para se financiar: imposto inflacionário e divisas internacionais. A segunda acabou quando o preço do barril estabilizou. Sobrou a primeira. Não sei por que as palavras Zimbabue e Mugabe retumbam na minha cabeça… Quem gostava muito de maxidesvalorizações era Delfin Netto. O grande guru da economia do governo mais popular do Brasil nos últimos 5 bilhões de anos. Coincidência? O que poderemos esperar da economia venezuelana? Inflação. Mais escassez de produtos visto que quase 80% do consumo venezuelano é oriundo de importações e como o governo controla o câmbio, inclusive colocando cotações diferenciadas e mesmo assim abaixo do valor do mercado paralelo, podemos prever um futuro muito difícil para a Venezuela.

Americanos e suas crises…

outubro 16, 2009 4 comentários

Do blog do Stephen Kanitz:

AMERICANOS NÃO APRENDEM COM SEUS ERROS

Quem não aprende com os erros do passado irá repeti-los no futuro.

É assustador que os americanos não tenham aprendido a verdadeira causa da Crise de 2008, atribuído à ganância dos banqueiros, aos bônus dos administradores, ao mercado não suficientemente regulamentado por professores de universidades, que são os principais proponentes destas propostas.

Quem acompanhou as análises de BQDC sabe a nossa opinião.

Esta crise teve o seu início, a sua força motriz, no incentivo fiscal de dedutibilidade de todos os juros NOMINAIS de dívidas imobiliárias. Até 1,1 milhão de dólares por americano.

Um incentivo para o super endividamento, quem compra casa à vista não tem dedutibilidade.

Só americano, de todos os povos, refinancia a sua casa, o second mortgage, tambem chamado “equity carve out”, depois de saldar 80% de sua dívida. Só que desta vez a casa já está quase quitada, e o dinheiro é usado para comprar carros da GM, com juros dedutiveis.

Por isto, o americano é o povo mais endividado do mundo e numa crise de bancos,  empresas como a GM também vão à falência e compras a prazo despencam. Pior, embora menos que 10% comprem casas de 1 milhão, elas custam 8 vezes mais do que o preço médio de US$ 160.000,00. São 70 bilhões de subsídios por ano, por isto bancos podiam emprestar para os sub-prime. Era o governo que iria pagar 50% ou mais da casa própria. 
Estes professores devem morar em casas alugadas de suas universidades, razão pela qual nenhum professor americano comenta este absurdo fiscal.

A Califórnia está agora revisando suas leis tributárias, mas a dedutibilidade dos juros NOMINAIS continuará. Ou seja, teremos mais uma crise em 2025, já que a primeira crise imobiliária foi em 1988, ou seja cada 20 anos. Ciclo econômico causado pelo próprio governo americano. 

No máximo deveria ser somente o juro REAL dedutível, ou somente até US$100.000 para casa populares, e somente uma vez na vida.

Ledo engano.

“Taxpayers would be allowed to deduct mortgage interest, property tax and charitable contributions, as they are now. The Associated Press: Calif. panel set to recommend major tax overhaul.

Vide nossos comentários sobre a verdadeira razão desta crise.http://blog.kanitz.com.br/2009/05/crise.html e uma versão em inglês para o seu amigo norte americano

Categorias:Economia Tags:

Inadimplência

Reportagem de hoje da Folha:

A inadimplência dos consumidores brasileiros subiu em maio e chegou a 8,6% dos empréstimos do sistema bancário, segundo dados do Banco Central. É a taxa mais alta da série histórica do BC, iniciada em junho de 2000. No caso das empresas, a inadimplência passou de 2,9% para 3,2%, maior desde 2001.

A alta do consumo interno brasileiro nos últimos anos foi calcado, principalmente, pelo aumento da disponibilização de crédito. Só que diferente de países desenvolvidos, nosso crédito sempre foi muito caro por conta dos juros cobrados. Muitos dizem que o spread bancário é maior vilão. Com certeza é uma das causas e a mais fácil de se atacar politicamente.

Há outros motivos:

a) Falta de competição no mercado: os seis maiores bancos brasileiros detém 87% dos depósitos. Os dois maiores Bancos estatais detém 40% desses depósitos e cobram taxas semelhantes aos outros bancos;

b) Insegurnça jurídica: como vivemos no país dos coitadinhos as decisões judiciárias quase sempre se mostram bem favoráveis aos tomadores de empréstimos. As execuções judiciárias são difíceis, recuperar ativos quase impossível. Isso tudo eleva os custos dos empréstimos.

c) Falta de poupança interna: como o governo é um dos grandes tomadores de empréstimos falta dinheiro para emprestar aos cidadãos.