Archive

Posts Tagged ‘Totalitarismo’

Cubazuela

fevereiro 3, 2010 Deixe um comentário

Parece que o processo de cubanização da Venezuela continua a passos largos. Chávez, que está cada vez mais isolado, acabou de importar o Minstro de Tecnologia cubano, Ramiro Valdés, para dirigir uma comissão técnica que estudará a crise energética do país.

Que coisa…

Durante um discurso na Assembléia Nacional de Chávez, um deputado advertiu que “qualquer televisão ou emissora que passar pela linha amarela e conspire contra o Governo passará para as mãos do Estado”.

Democracia Venezuelana

Mas os venezuelanos não têm do que se preocupar, afinal de contas na Venezuela existe democracia até demais…

Discurso do Embaixador do Panamá na OEA

dezembro 31, 2009 Deixe um comentário

Curto, certeiro.

Demonstra a distância que o Itamarati tem hoje dos seus dias de glória.

O Conselho de Segurança e os Caças

setembro 24, 2009 2 comentários

Ontem ficou bem claro porque a pressa para indicar o Rafale como vencedor do FX. De maneira enfática o Presidente francês Nicolai Sarkosy endossou a entrada do Brasil como membro permanente do Conselho de Segurança da ONU. Essa é uma das utopias de Lula desde o início de seu mandato. Para o presidente que nunca saiu do palanque, o Conselho de Segurança da ONU é uma espécie de Xangri-lá moderno. Algo que colocaria o país como um player internacional. A verdade é que o CS é apenas um clubinho que não manda em nada. Isso porque cada um dos membros têm seu próprio interesse e como o veto de apenas um é suficiente para barrar qualquer decisão, daquela cartola não sai coelho nenhum.

As tentativas de Lula de colocar o Brasil no CS da ONU estão saindo cada vez mais caras ao país. É um tal de perdoar dívidas (como se ele fosse o dono do país, perdoa dívidas, dinheiro esse que deveria estar sendo pago e indo para o Tesouro Nacional. Será que não necessita autorização do Congresso para tal?), classificar a China como “Economia de Mercado”, ficar ao lado de todo ditador do planeta e etc.

O caso FX é mais um que entra para essa conta. Não que o Rafale seja um caça ruim, que não tenha suas vantagens, mas a forma atabalhoada, precipitada e porca que o assunto foi conduzido e o discurso de Sarkozy são provas de que o governo mais uma vez utilizou o dinheiro dos brasileiros para bancar seus sonhos mais pitorescos. Quem perde somos todos nós que pagamos a conta. E ela está ficando cada vez mais cara.

Supostas bases americanas na Colômbia ou Quem acredita no “Top Top” Garcia?

Um misto de preguiça jornalística, mau caratismo ideológico e erros diplomáticos estão gravitando em torno do assunto das supostas bases americanas na Colômbia. O erro diplomático é todo colombiano que não soube explicar de maneira clara esse acordo. Os colombianos falharam em dizer que por conta de uma lei federal americana o número de soldados e civis americanos atuando no solo colombiano é limitado a 800 e 600 respectivamente. Falharam em explicar que as bases serão operadas por colombianos e não haverá transferência de “soberania” como acontece nas bases de Manta (Equador) e Guantánamo ou mesmo na Europa onde os EUA possuem jurisdição.

A velha e conhecida preguiça jornalística, principalmente se tratando de temas internacionais, no Brasil é histórica. Se essa preguiça for contra os EUA ou um de seus aliados então nem se fala. Até agora, pelo menos eu não vi, nenhuma matéria colocando esses pontos que expliquei. E olha que são coisas básicas para entender o assunto. Porque acham que a reunião na Unasul foi esvaziada por Lula após conversa com Uribe? O motivo é fácil de entender e explica também porque o Marco Aurélio “Top Top” Garcia foi escalado e está subindo nas tamancas.

Ouve uma leve mudança na doutrina americana e colombiana para o combate ao narcotráfico. Quem acompanha o assunto há algum tempo sabe que alguns atores de peso entraram na equação. Cada vez mais a Venezuela, Bolívia e o Equador transformam-se em narco-estados. Grande parte da cocaína saída da Colômbia passa pela Venezuela com anuência de Chávez que ganha dinheiro com isso e por sua vez arma as FARC. Os lança-rojões recentemente encontrados com as FARC são provas disso.

A doutrina que era de combate ao tráfico de drogas mudou para contra-insurgência. O que é bem lógico já que as FARC são o maior fornecedor de drogas para os EUA. Atacando a guerrilha marxista, ataca-se o tráfico de drogas.

Por isso o senhor “Top Top” foi escalado. Sabidamente, reconhecidamente e já provado, Marco Aurélio é o contado das FARC no Brasil. Raul Reyes confiava muito nele. Por isso em várias entrevistas ele mente descaradamente dizendo que haverá bases americanas. Não haverá base nenhuma. Ele está é preocupado com o avanço das forças democráticas colombianas contra as FARC. Esse é seu temor. Por isso as mentiras.

E a imprensa, que não faz seu trabalho, ajuda. Inocentemente? Duvido.

O erro de Honduras

Talvez no post abaixo fique parecendo que sou favorável  Golpes. Não sou. Reconheço que da maneira que foi executado o que aconteceu em Honduras pode ser sim caracterizado como golpe. Mas qual a meneira apropriada para tratar com um caso daquele?

O mais certo seria ter prendido o presidente ou o afastado das funções durante uma investigação. Provas e motivos havia. O fato é que Zelaya já estava tentando dar um golpe quando convocou o exército a executar uma medida definida como ilegal pela justica e pelo congresso.

O erro foi ter enviado Zelaya à Costa Rica. Não sei bem porque essa decisão foi tomada, pode ser que no futuro deem uma explicação melhor, mas que a princípio foi uma decisão errada não há dúvidas.

Democracia não existe fora de um império de leis. Zelaya desobedeceu esse princípio e decidiu legislar por conta própria. Estava errado de diversas maneiras.

Mas ao deportar o presidente, as autoridades hondurenhas erraram, já que ele deveria ter sido julgado, com direito a toda defesa prevista na constituição hondurenha. Nada disso iria atrapalhar a democracia já que as eleições estavam e continuam marcadas.

Ainda Honduras… Será golpe?

O caso do Golpe, se é que podemos chamar de Golpe, em Honduras é muito diferente de todos os outros movimentos políticos violentos já vividos pela América Latina. Quem resumiu muito bem o caso foi o ex-Blog do Cesar Maia:

 

1.O presidente Zelaya foi eleito pelo Partido Liberal (direita) e algum tempo depois se tornou chavista. Com eleições convocadas para novembro deste ano, forçou o direito à reeleição. O Congresso rechaçou a proposta. Zelaya ignorou a decisão do Congresso e partiu para realizar o plebiscito de qualquer forma.
               
2. O promotor e defensor dos direitos humanos considerou o plebiscito ilegal. O STF, o TSE e o MP o declararam inconstitucional. O parlamento votou lei impedindo. Os comandantes das Forças Armadas foram exonerados. O Supremo determinou que o general chefe do estado maior fosse restituído a seu posto (medida inusitada).
               
3. A intervenção de Chávez foi alarmante. Mandou rodar as cédulas do plebiscito e fazer as urnas, e as enviou a Tegucigalpa. Insultou as autoridades constituídas hondurenhas – judiciais, militares e parlamentares. Chamou o chefe do estado maior, general Vásquez, de “gorila e traidor”. E colocou suas Forças Armadas de prontidão. O presidente Zelaya foi ao aeroporto, com seus correligionários, receber o material desde Caracas. As urnas foram distribuídas por uma frota de táxis contratados.               
               
4. O STF determinou a prisão de Zelaya. Este apresentou sua renúncia à presidência ( http://writer.zoho.com/public/blogdocesarmaia/Doc22http://www.elheraldo.hn/Secciones-Secundarias/Videos?v=8xhzctcz2e0m). Pela manhã, o Congresso aceitou a renúncia e nomeou presidente o presidente do Congresso, Roberto Micheletti ( http://www.youtube.com/watch?v=A646Y54Uiww&feature=related). Zelaya foi detido pelo exército e transferido para Costa Rica. Negou a renúncia. Então Chávez o transferiu para Nicarágua e convocou reunião dos países do ALBA.
               
5. Os EUA ainda não reconheceram o novo presidente, assim como o Brasil e o Chile. Entendem que o impasse, e mesmo os excessos inconstitucionais de Zelaya, não requereriam a destituição do mesmo. Brasil, Equador e Bolívia foram exemplos nos últimos 20 anos de presidentes destituídos constitucionalmente, sem uso do exército.

 

Eu tenho lá minhas dúvidas que ele tenha renunciado à presidência. Mas também aceito a possibilidade de ele ter feito isso para escapar da prisão e depois usar como munição política. Faz parte.

Mas o que é mais marcante para mim é a reação tanto da ONU quanto de outros países. Da OEA já não espero nada de bom mesmo. Absolutamente ninguém se pronunciou dada as ilegalidades cometidas por Zelaya. Absolutamente ninguém se pronunciou dado à ingerência realizada pela Venezuela, agora que o Presidente foi destituído seguindo um movimento político violento, mas muito mais legal e com o intuito de preservar a democracia  e a constituição hondurenhado que o jogo que Zelaya estava realizando. Logicamente será mais um assunto a entrar no jogo esquerda x direita previsto por Gustavo Corção, mas de qualquer forma será interessante averiguar como se dará a reação de diversos países. Será que irão seguir o presidente Zelaya ou o Congresso e Suprema Corte hondurenhos?

Outro fato marcante é que no início do movimento a imprensa sugeriu que se tratou de um Golpe Militar. Não foi. Não há uma junta militar comandando o país, não há generais na presidência, o exército não fechou o Congresso. Quem assumiu foi o Presidente do Congresso assim como determina a constituição hondurenha. A atuação do exército foi determinada pelo poder judiciário e o exército executou a ação a qual lhe foi determinada pela justiça. Nem mais, nem menos.

Ou seja, o caso hondurenho será bem interessante no sentido político e jurídico. Foi golpe? Alguns poderão falar que sim. Mas também acho que alguns poderão falar que não. Já que foi um movimento comandado pelos dois outros poderes (Judiciários e Legislativo) com o intuito constitucionalista.

Continuo acompanhando o caso pelo El Heraldo.

Honduras

junho 26, 2009 5 comentários

Parece que o bixo está pegando no país caribenho. Aparentemente, o presidente Manuel Zelaya mais um dos representantes do bolivarianismo, decidiu que iriam realizar uma consulta para aprovar a reeleição. A Suprema Corte do país declarou que a consulta seria ilegal porém Zelaya decidiu ignorar a Suprema Corte.

A situação ficou pior quando o Chefe das Forças Armadas do país se recusou a cumprir as ordens de Zelaya em dar suporte logístico e de segurança à consulta. Zelaya em suas condição de Chefe das Forças Armadas destituiu o General. E aqui é bom que se diga: o General aceitou sua dispensa dizendo  “Somos prudentes e aceitamos a decisão do presidente, a quem respeitamos e que tem o direito de demitir quem quiser”.  Porém a Suprema Corte cancelou a dispensa do General. O assunto tornou-se uma batalha política. O Presidente calcado na sua condição de Chefe das Forças Armadas e a Suprema Corte na lei que afirma que um militar não deve acatar ordens ilegais.  Detalhe: o Ministro da Defesa, seguindo o General, renunciou ao cargo.

Agora Zelaya está sendo investigado no Congresso e não tem apoio nem de seu próprio partido. Chavez, como não poderia deixar de ser, já está se metendo no bedelho e vários aviões venezuelanos já foram avistados pousando em Honduras.

O clima está tenso e quem quiser mais informações pode consultar o El Heraldo.